JNO - Jornal de Nova Odessa - page 3

QUINTA-FEIRA, 12 DE SETEMBRO DE 2019
PÁG. 3
CIDADE
A ETE Quilombo é uma das maiores obras públicas do Brasil a adotar a tecnologia U-Box, considerada a melhor dispo-
nível para países tropicais. Nos últimos seis anos, Nova Odessa investiu mais de R$ 50 milhões em saneamento básico
Da Redação
O sistema de tratamento
de esgoto de Nova Odessa,
que usa tecnologia de pro-
cessamento compacto de
alta eficiência, vai servir de
modelo para melhorar a
qualidade de vida de mora-
doresdeGoiás,MatoGrosso,
MatoGrossoSul edoDistrito
Federal. A informação é do
chefe da Sudeco (Superin-
tendência do Desenvolvi-
mento do Centro-Oeste),
NelsonVieira.Osuperinten-
dente esteve no município
nesta quarta-feira (11) para
conhecer o funcionamento
da ETE Quilombo, que trata
100% do esgoto doméstico
coletado na cidade.
Nelson Vieira assumiu
a Sudeco em julho e está
percorrendo municípios
em todo país, em busca
de “cases” de sucesso que
possam ser replicados para
o desenvolvimento dos mu-
nicípios da região. A Su-
perintendência é uma au-
tarquia do governo federal,
vinculada ao Ministério do
Desenvolvimento Regional.
Vieira visitou a estação na
companhia da arquiteta
GeorgiaCarolinaCapistrano
da Costa, chefe de divisão
do DPA (Departamento de
Planejamento e Avaliação)
da Sudeco, além técnicos da
área de saneamento.
Na ETE, o superinten-
dente foi recebido pelo di-
retor-presidente da Coden
(Companhia de Desenvol-
vimento de Nova Odessa),
Ricardo Ongaro. “Viemos
conhecer a tecnologia utili-
zadanaestação, quepermite
que o processo ocorra em
espaço reduzido, comquase
nenhum cheiro, apesar de
todo esse volume de trata-
mento. É um exemplo que
a gente vai levar para alguns
municípios doCentro-Oeste
com IDH [Índice de Desen-
volvimentoHumano] baixo.
Afinal, tratar esgoto é cuidar
da saúde das pessoas”, afir-
mouo superintendente, que
saiu da unidade satisfeito
como que viu, agradecendo
ao diretor-presidente e ao
prefeitoBenjamimBill Vieira
de Souza pelo acolhimento.
O superintendente da
Sudeco também conheceu
a Usina de Compostagem
de Lodo, que funciona na
área da ETE. Fruto do inves-
timento de investimento de
R$ 1.886.200,00, a unida-
de foi inaugurada no mês
passado e funciona em fase
de testes, transformando
resíduos gerados durante
processo de tratamento em
» TECNOLOGIA
Tratamento de esgoto de Nova Odessa servirá
de modelo paramunicípios do Centro-Oeste
adubo orgânico.
Em compromissos na
capital paulista, o prefeito
Bill falou com Nelson Vieira
por telefone e colocouo cor-
po técnico da Administra-
ção Municipal à disposição
da Sudeco. “É uma grande
satisfação servir de exem-
plo para outros municípios
que buscamaprimorar seus
sistemas de saneamento,
preservar o meio ambiente
e melhorar a saúde dos mo-
radores. Estaremos sempre
de portas abertas e prontos
para dar nossa contribui-
ção”, disse Bill.
“De todos os sistemas de
tratamento que eles conhe-
ceram, o nosso é que tem
o menor investimento por
habitante. Para nós, esse
reconhecimento é muito
gratificante. É sinal de que
nosso trabalho está sendo
bem feito. Vamos continuar
investindo, buscando tec-
nologias e avançando para
seguir estimulando outros
municípios a seguirem o
mesmocaminho, que éuma
tendência”, avaliou Ricardo
Ongaro.
Também acompanha-
ram a visita Sérgio Cruz,
Henrique Assis e Mariana
Buelloni, representantes da
Paques, empresa especiali-
zada em sistemas de trata-
mento de água e efluentes;
» ANFITEATRO DA PREFEITURA
Grupo do Consórcio PCJ para a revitalização
do Quilombo se reúne nessa 5ª feira em NO
Da Redação
O anfiteatro da prefeitura
deNovaOdessa (SP) receberá
nessa quinta-feira, dia 12 de
setembro, a partir das 9h,
nova reunião do Grupo de
Revitalização do Ribeirão
Quilombo, uma iniciativado
ConsórcioPCJcomoobjetivo
de verificar as ações que já
foram desenvolvidas de re-
cuperação do curso d’água
desde o último encontro
técnico e discutir os desafios
dos próximos passos de des-
poluição. O Consórcio PCJ
é presidido pelo prefeito de
Nova Odessa, Benjamim Bill
Vieira de Souza.
Até o momento confir-
maram presença na reunião
representantes dos muni-
cípios da bacia do Quilom-
bo: Americana, Campinas,
Nova Odessa, Sumaré e
Hortolândia. Desses, farão
apresentação dos projetos
em andamento e dos planos
futuros, os representantes:
Adriana Boscolo da Sanasa/
Campinas, Vitor Assunção
da prefeitura de Campinas,
ElaineSouzadaPrefeiturade
Hortolândia,RicardoOngaro
e Jaqueline Carraro da Com-
panhia de Desenvolvimento
de Nova Odessa (Coden) e
JoãoMarcodoDepartamento
de Água e Esgoto de Ameri-
cana (DAE).
Oencontrocontará ainda
com intervenções do pro-
motor público do Grupo de
Atuação Especial de Defesa
doMeioAmbiente(GAEMA),
Ivan Carneiro, de Mário de
Almeida e Wilma Gonçal-
ves, da Secretaria de Infra-
estrutura e Meio Ambiente
do Estado de São Paulo, de
Adriana Guimarães Alves e
Diogo Freitas da Companhia
Ambiental do Estado de São
Paulo (Cetesb) e do coorde-
nador da Câmara Técnica
de Conservação e Proteção
de Recursos Naturais dos
Comitês PCJ (CT-RN), João
Demarchi.
Algumas iniciativas que
serão debatidas os impac-
tos para a recuperação do
Ribeirão Quilombo:
• Inauguração de Estação
de Tratamento de Esgoto
(ETE)de tratamentoterciário
na cabeceira do ribeirão, em
Campinas, a ETE Boa Vista,
comprevisãodeentregapara
abril de 2020;
• Construção de reserva-
tóriosdeMacrodrenagemem
Campinas,naregiãodabacia
do Quilombo;
• Ampliação da capaci-
dade e melhoria da ETE
Quilombo, emNovaOdessa;
• Instalação de estações
de medição de qualidade da
água do Ribeirão Quilombo
pela Cetesb;
• Apresentação do vídeo
com as ações de revitaliza-
ção do ribeirão que já foram
desenvolvidas;
• Plantio e Recuperação
deMatasCiliares ao longodo
curso d’água;
Sobre o Ribeirão Qui-
lombo e o projeto de recu-
peração
O Ribeirão Quilombo
possui extensão aproxima-
da de 54,7 km desde a sua
nascente, na cidadedeCam-
pinas, até a sua foz no Rio
Piracicaba, no município de
Americana. Suabaciahidro-
gráfica possui extensão de
396 km² é caracterizada por
ocupação majoritariamen-
te urbana e com índice de
chuva variando entre 1.200
e 1.800mm. O curso d’água
cruza ainda os municípios
de Sumaré, Nova Odessa e
parte das divisas territoriais
de Paulínia e Hortolândia.
Levantamentopreliminar
do Consórcio PCJ, feito no
início do projeto em 2017,
verificou que para a recu-
peração de matas ciliares do
ribeirão Quilombo e seus
principais afluentes será
necessário o plantio de 585
mil mudas nativas, com
aportes financeiros de R$
11,7 milhões. Já para ações
de construção dos 11 reser-
vatórios de macrodrenagem
e contenção de cheias o
aporte é bem maior, sendo
necessários R$ 184 milhões.
No total, estima-seque serão
necessários R$ 196 milhões
comos dois projetos. Nesses
investimentos ainda não es-
tão contabilizados os gastos
com tratamento de esgoto.
TiagoSeydell ePedroRocha,
daSTSEngenharia; odiretor
técnicodaCoden, EricPade-
la; o técnico emsaneamento
egestordaETE,Thiago Jozer;
eochefedaDivisãodeServi-
ços, Natalício Marques.
ETE QUILOMBO
É uma das maiores obras
públicas do Brasil a adotar
a tecnologia U-Box, consi-
derada a melhor disponí-
vel para países tropicais. A
tecnologia não demanda a
construção de lagoas a céu
aberto, pois dois tipos de
reatores são instalados no
mesmo tanque de concreto
armado, “empilhados”, o
que economiza espaço físico
e reduz custos operacionais.
Automatizado e com baixo
impacto ambiental, o siste-
ma elimina odores, já que
conta com queimador de
gás, consomepoucaenergia,
não gera ruídos e pode ser
operado por uma equipe
reduzida.
Nos últimos seis anos,
Nova Odessa investiu mais
de R$ 50 milhões em sa-
neamento básico. Desse
montante, R$ 17 milhões
foram aplicados em coleta,
afastamento e tratamento
de esgoto. A ETE Quilombo
passou por duas fases de
expansão e recebeuR$ 12,15
milhões. Após a entrega da
terceira fase, em julho do
ano passado, o município
passoua ter capacidadepara
tratar o esgoto de 90 mil
pessoas. Aunidade trata, em
média, 130 litros de efluen-
tes por segundo e gera nove
toneladas de lodo por dia.
Divulgação / JNO
1,2 4,5,6
Powered by FlippingBook